Evidências

Às vezes eu tenho uns flashbacks e do nada me lembro de cenas muito específicas. Em alguns casos elas até tem a ver com algo que estou pensando ou sentindo no momento; em outros elas simplesmente aparecem sem eu conseguir entender o porquê.

De qualquer forma eu tive um desses flashbacks agora há pouco enquanto arrumava algumas coisas. Foi a primeira evidência, após eu ter sido avisado de que ela queria a separação, que me foi dada de que eu estava sendo traído, e foi no dia seguinte à conversa que tivemos sobre a nossa separação. Eu havia passado a noite em claro e ela, que quis dormir no outro quarto de nosso apartamento, também. Enquanto nos preparávamos pra ir pro trabalho (eu ainda a levaria pro trabalho dela por mais dois dias, até ela sair de casa) conversamos sobre o que aconteceria daquele momento em diante. Aí eu comecei a tentar entender o porquê de ela querer a separação:

– Você tá gostando de alguém?
– Ai, para! Não quero falar sobre isso.
– Isso é um sim então, né? Pode falar, agora já estamos nos separando mesmo.
– É… tô.
– É alguém da faculdade, né? (Engraçado que eu já desconfiava…)
– Sim.
– É o Fulano, né?
– Como você sabe? — a mistura de surpresa com indignação e choque na expressão facial dela já poderia contar como uma evidência, mas a mais forte ainda está por vir.
– Ah… não sei explicar. Mas de alguma forma eu já desconfiava que você tava afim dele. Você fala sobre ele com uma certa frequência. Algumas fotos que vocês tiraram juntos na faculdade até me fizeram acreditar que tava rolando um clima, mas eu achei que era coisa da minha cabeça.

Silêncio.

– Vocês já ficaram?
– Não. (rolou uma hesitação aqui. Outra evidência leve.)
– Pode falar. Agora já estamos separados, não estamos?
– É sério, a gente não ficou não. (Alguns meses depois ela acabou confessando que “quase rolou”, ainda com um olhar de quem estava escondendo algo. Bingo!)
– Bem, mas pelo menos você acredita que ele sente o mesmo por você? Ou melhor ainda, você acredita no que você sente por ele?

Agora vem a evidência mais forte:

– Ah… às vezes ele é meio estúpido… mas logo depois ele me trata super bem. Isso tem me encantado, entende?

Dois fatos interessantes:
1) Eu nunca imaginei que eu poderia manter a calma numa situação como essa! Todas as pessoas com quem convivi naquela época me disseram que eu não tinha a aparência de uma pessoa cujo mundo estava desmoronando. E todas as conversas que tivemos foram num tom super pacífico. Ninguém gritou, ninguém se descabelou — mas nós dois choramos no último dia em que ela dormiu em casa.
2) Por que eu acredito nessa última frase como evidência? Simples: porque ela disse exatamente a mesma coisa uns 5 meses depois de termos nos separado. Além disso a frase em si foi reforçada por toda uma linguagem corporal que demonstrava que havia algo além de um sentimento platônico.

Logo após o flashback me veio à cabeça o refrão de Innocence, da Deborah Blando (que eu posso fazer? Não tenho controle sobre meus flashbacks!):

Who’s gonna fight for innocence
When we’re always denying the proof?
Who’s gonna fight for justice
When we wash our hands of truth?

Explore posts in the same categories: Pensamentos

Tags: , , , , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

8 Comentários em “Evidências”

  1. manuela Says:

    mas vc “busca essa verdade”? acha essencial?
    apesar de tudo levar a crer que sim, foi traído, apesar dela negar. ou mesmo que seja mentira, vc vê isso como algo que precisa ser “escancarado, de todo modo, para seguir adiante – sem olhar para atras?

    vale a pena?

    já fui traída, duas vezes. uma vez eu descobri depois e na outra… eh bem como você, nunca vou ter certeza. considero duas traições, e duas pessoas que não “confio”, e ponto final. eu fiz a minha parte… e nenhuma descoberta nova vai mudar o meu presente, nem minha relação com os envolvidos hj.

    • autoajudasentimental Says:

      Olha, Manu… já busquei a verdade com mais empenho. Hoje em dia eu simplesmente adotei isso como verdade, dadas as evidências. Talvez não seja a melhor coisa a se fazer e pode ser que eu esteja cometendo uma imensa injustiça, mas pelo menos eu me sinto melhor assim — por uma infinidade de motivos que acho melhor não citar…🙂

      Quanto a seguir adiante, eu realmente gostaria de poder enterrar essas lembranças de uma vez por todas mas eu não consigo controlá-las — prova disso foi eu ter lembrado da música da Deborah Blando! hahahhahah
      Mas sério: não tem como não manter um resquício dessas lembranças no caminho que seguimos, né? Acabamos ficando “escaldados” pelas experiências ruins do passado. Fica um pouco mais difícil de abrir o coração novamente — apesar de ter a certeza de que superei a separação e não guardo qualquer mágoa ou ressentimento da minha ex admito que ainda tenho tido alguma dificuldade pra me envolver com alguém, em partes por medo de passar pelas mesmas coisas novamente. Por consequência acabamos sendo bem mais criteriosos ao nos relacionarmos com alguém — e passamos a simplesmente não tolerar certas coisas.

      Ou sei lá, vai ver que o grande problema é ainda não termos encontrado a pessoa certa, né?😛 Quando encontrarmos nem pensaremos nos critérios e nas experiências do passado!

      Valeu pelo comentário!😀

  2. Isabel Says:

    Eu também tenho flashbacks assim ^^

    PS: É impressão minha ou meus comentários aqui são super aleatórios? o.O

    • autoajudasentimental Says:

      hahhahahah ufa, então acho que somos normais. Ou será que fazemos parte da minoria anormal?😛

      E relaxa, seus comentários não são aleatórios. Você é bem-vinda pra comentar sempre!😉

  3. marina Says:

    Medo atrai.
    O comentário nem é em relação ao seu post e sim ao seu comentário.
    Medo de passar por isso novamente…vai continuar passando enquanto continuar pensando nessa possibilidade…e outra..nada dura pra sempre,um dia pode ser q talvez vc se interessasse por outra pessoa, ou perdesse a atração por ela, pode ser que não houvesse traição, mas acho que tudo acaba um dia.

    • autoajudasentimental Says:

      Então, Ma… eu não sei se tudo acaba um dia, mas se algo está de certa forma fadado ao fracasso não adianta insistir. E hoje eu vejo que tudo indicava que não poderíamos ficar juntos pra sempre mesmo. Éramos muito diferentes em uma série de quesitos. Mas mesmo sabendo que a coisa não vai funcionar a gente sofre, né? Porque a gente gosta da pessoa que tá com a gente e já se acostumou a estar com ela!

      Anyways… já me falaram que o lance é dar tempo ao tempo. Vamos ver, né?

  4. nouniversoparalelo Says:

    PUTAMERDAAAA… VC TEM FLASHBACKS COM A DEBORAH BLANDO AUHAUHUHAUHAUHAUHAUHA

    tá bom… eu tenho com o Sidney Magal as vezes…

    • autoajudasentimental Says:

      HUAHUAHAUHAUAHAUAH

      Eu não tenho sempre esses flashbacks com a Deborah Blando. Só aconteceu ontem, poxa! hauhauhauahu


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: